O Grêmio divulgou oficialmente na última quarta-feira (27), os demonstrativos financeiros do 1º semestre deste ano. Vale lembrar que todos os índices contabilizados vão até o fim de junho, antes da abertura da janela de transferências da metade da temporada e com isso, não são os valores exercidos atualmente.

Entretanto, alguns pontos importantes foram informados ao torcedor gremista. Dentro disso, estão por exemplo o custo da folha salarial, acordos de publicidade e arrecadação com o quadro social. Confira todos os detalhes abaixo:

Balanço financeiro do 1º semestre do Grêmio

Folha salarial custa R$12,5 milhões

Vale lembrar que a previsão inicial da direção gremista, realizada no início do ano, era de reduzir o custo do elenco ao valor de R$ 10 milhões mensais. Entretanto, com a chegada de receitas inesperadas esta régua subiu para o valor pago atualmente, que é de cerca de R$ 12,5 milhões, já inclusos os vencimentos da comissão técnica de Renato Portaluppi.

O último levantamento divulgado no balanço oficial, que leva em consideração o mês de junho, revelou que o valor somado entre salários e direitos de imagem era de R$ 13,2 milhões. As saídas de Brenno, Bitello, Diego Souza, Diogo Barbosa e outros ajudaram a diminuir a folha.

Elenco do Grêmio teve média de custo de R$14,1 milhões no 1º semestre. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)
Elenco do Grêmio teve média de custo de R$14,1 milhões no 1º semestre. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)

Valores a receber de outros clubes

Grande parte das negociações feitas por jogadores, seja de compra ou venda, é feita de forma parcelada. Além de aumentar o potencial de compra, este modelo também ajuda no fluxo de caixa e é uma das formas dos clubes manterem as contas em dia enquanto as janelas de transferências estão fechadas.

Sendo assim, em junho deste ano, o Grêmio ainda tinha a receber neste ano a quantia de R$ 24,1 milhões oriundas de vendas e empréstimos feitos. Após isso, outras operações foram realizadas, como a venda de Bitello ao Dínamo Moscou, da Rússia e que rendeu um total de 10 milhões de euros (R$ 53 milhões). Desta quantia, 2.5 milhões de euros serão pagos em junho de 2024, conforme estabelecido no contrato.

Além disso, o clube ainda recebeu 600 mil euros (R$ 3,2 milhões) pelo empréstimo de Brenno ao Bari, da Itália, e R$ 500 mil pelo empréstimo de Adriel ao Bahia. Na totalidade, hoje a quantia gira em torno de R$ 25 milhões.

Venda de Bitello ao Dínamo Moscou foi a maior do ano até o momento. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)
Venda de Bitello ao Dínamo Moscou foi a maior do ano até o momento. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)

Arrecadação com o quadro social

O número atual de sócios (114.425) é o maior da história do Grêmio, se tornando uma receita essencial para os cofres do clube. Até junho, este "braço" gerou o total de R$ 38,9 milhões, valor acima dos R$33,5 milhões orçados pela gestão. Basicamente, houve 16,2% de aumento na receita oriunda dos sócios.

O último número revelado pela direção, no fim de agosto, foi de uma receita mensal próxima a R$ 7,4 milhões, acima da média de R$6,4 milhões dos primeiros 6 meses do ano. Hoje, a arrecadação com o quadro social representa cerca de 59% da folha salarial.

Vale lembrar que o clube conseguiu obter aumento de aproximadamente 70 mil sócios apenas neste ano e a contratação de Luis Suárez foi o grande impulsionador para o sucesso deste setor.

Receita extra de jogos na TV fechada

A contratação de Luis Suárez também gerou interesse de todo o país, e consequentemente, mais audiência por parte da televisão. Tamanho impacto do atacante uruguaio com a camisa tricolor gerou uma receita inesperada, que foi o pagamento de valores para transmitir jogos do clube no canal de TV fechada SPORTV.

Conforme revelado pela direção, o valor aproximado pago para cada jogo do Grêmio como mandante no Brasileirão é de R$ 1,5 milhão. Até o momento, foram 7 jogos com transmissão da emissora, o que gerou arrecadação de aproximadamente de R$ 10,5 milhões. Entretanto, no primeiro semestre foram R$6,2 milhões.

Para efeito de comparação, o valor orçado pelo clube no início do ano oriundo desta bonificação foi de R$1,8 milhões e em 2022, apenas R$300 mil foram arrecadados, já que o clube disputou a 2ª divisão do Campeonato Brasileiro.

Presença de Suárez elevou verba recebida por transmissão dos jogos na Arena. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)
Presença de Suárez elevou verba recebida por transmissão dos jogos na Arena. (Foto: Lucas Uebel / Grêmio FBPA)

Aumento na receita de publicidade e patrocínios

Outro número satisfatório está nos contratos de publicidade e patrocínios assinados pelo clube. O valor orçado para os primeiros 6 meses do ano foi de R$ 28,5 milhões, já muito acima dos R$ 22,5 milhões arrecadados no mesmo período em 2022.

Os acordos de publicidade e patrocínios renderam até junho R$34,6 milhões, valor 21,5% acima do orçado. O maior acordo no ano, fechado em março com a casa de apostas Esportes da Sorte, girou na casa de R$50 milhões fixos, além do pagamento da rescisão com o antigo parceiro gremista do ramo. Também foi previsto inicialmente um auxílio anual de 1 milhão de dólares para o pagamento dos salários de Luis Suárez.

Aumento da dívida para R$96 milhões

Muito por conta de boa parte das receitas não constarem de forma total, a dívida do clube aumentou. Passou de R$80 milhões do 1º trimestre para R$96,2 milhões ao fim de junho e por isso, a necessidade de grandes vendas.

Houve aumento também nos empréstimos, passando de R$28,5 milhões para R$33,8 milhões. Por fim, os gastos com fornecedores tiveram elevação de R$13,5 milhões para R$ 17,7 milhões.

A expectativa da direção gremista no início deste ano era de ter um déficit de R$ 49,5 milhões, tendo em vista a projeção de receitas e despesas. Entretanto, o resultado final deve se apresentar muito diferente e com tendência para boas notícias ao torcedor tricolor.