O Grêmio já definiu quem é o seu grande desejo para o comando de ataque do time em 2024: Trata-se do centroavante Rogelio Funes Mori, de 32 anos, e que atualmente defende o Monterrey, do México. Entretanto, viabilizar sua chegada em Porto Alegre não será tão fácil.

Ídolo do time mexicano, Funes Mori não deve renovar seu contrato, que tem duração até junho de 2024. A partir de janeiro, o atacante já estará livre para assinar um pré-contrato com qualquer outro clube e sair de graça, o que se torna um trunfo do Grêmio para diminuir a pedida.

A estratégia do Grêmio para ter Funes Mori, do Monterrey

O primeiro cenário cogitado pela direção do Grêmio é conseguir a liberação imediata do jogador, tendo em vista acelerar sua adaptação ao futebol brasileiro e poder contar com o atleta desde as primeiras partidas do ano. O clube tem a informação de que o Monterrey pede inicialmente 3 milhões de dólares (R$ 14,7 milhões na cotação atual), quantia considerada elevada.

Por isso, a ideia é negociar com os mexicanos um valor menor, tendo em vista que o tricolor possui uma situação financeira muito delicada. Não há, por exemplo, valores reservados no orçamento de 2024 para efetuar compra de jogadores. Operações de compra de atletas ou por pagamento de empréstimos só será possível por endividamento a médio e longo prazo ou por ajuda de investidores.

Em 2023, por exemplo, investidores foram necessários para viabilizar as chegadas de Franco Cristaldo, Felipe Carballo e Luis Suárez.

Rogelio Funes Mori é o plano A do Grêmio para 2024. (Foto: Monterrey / Divulgação)
Rogelio Funes Mori é o plano A do Grêmio para 2024. (Foto: Monterrey / Divulgação)

Assinatura de pré-contrato é cogitada

Caso as tratativas pela liberação antecipada não tenham desfecho positivo, o clube cogita esperar por alguns meses para ter o jogador. Com isso, a negociação se resume apenas ao atleta e ao seu staff.

Nesta hipótese, o atacante titular do time para o 1º semestre é João Pedro Galvão. Ele disputaria o Campeonato Gaúcho, a fase de grupos da Copa Libertadores da América e as primeiras 10 rodadas do Campeonato Brasileiro.

Por fim, conforme a situação avance e não haja perspectiva positiva, o clube pode buscar outras opções. Uma delas é o uruguaio Edinson Cavani, de 36 anos e que atualmente defende o Boca Juniors.

Com a saída de Luis Suárez, a posição de centroavante é uma das maiores necessidades do elenco visando 2024. O clube admite internamente que esta é uma enorme carência no time.