Apesar de ter retornado ao Grêmio em 2020, o agora ex-volante, ex-meia e ex-centroavante revelou que teve a chance de atuar na Arena em 2017, temporada do título do Tricampeonato da Copa Libertadores.

Aposentado do futebol, Diego Souza contou ao Globo Esporte que não possui nenhum arrependimento na trajetória de 20 anos com 13 camisas defendidas. No entanto, o ex-jogador do Grêmio destaca que poderia ter feito parte do elenco campeão da Libertadores em 2017.

Lucas Uebel / Grêmio FBPA
Lucas Uebel / Grêmio FBPA

"Eu brinco com o Maicon, falo para ele que meu único erro foi não ter ido para o Grêmio antes. Eu sempre quis estar onde me sentia bem, jogando e feliz, eu conquistava o que era necessário se me sentisse bem, mesmo que a equipe não disputasse título ou não brigasse com todas as forças. Eu estar bem era o mais importante, porque é difícil você se sentir bem-quisto no trabalho, estar disposto a fazer aquilo todos os dias com alegria, e isso me deixava feliz. Não era qualquer coisa que me tiraria aquilo. Eu falo isso com o Maicon porque tive a proposta para jogar no Grêmio de 2017 e brinco que o maior erro foi não ter ido. Se eu tivesse ido, iria conquistar a Libertadores e teria batido todos os recordes de gol da Arena do Grêmio. Eu sou o maior artilheiro da Arena e teria batido recordes porque o time era tão bom, seria muito mais fácil de fazer gol. Na brincadeira, ele concordava. Mas tirando isso, acertei em seguir no Sport. O time brigou para não cair, mas o meu ano foi muito bom, voltei para a Seleção, joguei eliminatórias. Então, foi muito bom. Foram coisas que de repente mudariam uma trajetória porque o Grêmio realmente era muito bom e eu jogando de centroavante naquele time sem dúvidas conseguiria reagir com muito mais facilidade", disse o ex-centroavante em entrevista ao GE.

Pelo Grêmio

Destaque do Tricolor em 2007 e campeão do Gauchão, o então volante Diego Souza foi uma das peças chaves do técnico Mano Menezes. Em 64 partidas, o meio campista anotou 16 gols e foi fundamental na campanha do vice da Libertadores.

Valdir Friolin/Agência RBS
Valdir Friolin/Agência RBS

No entanto, a história com a camisa do Grêmio não tinha acabado. Diante de pedido do técnico Renato Portaluppi em 2020, o clube acertou a contratação de Diego, que já tinha feito a transição de posição e atuava como centroavante.

Até meados de 2023, o centroavante acumulou 158 jogos e 71 gols, sendo 55 na Arena do Grêmio, o que o tornou o principal artilheiro do estádio gremista. Apesar de vice-campeonatos da Libertadores e Copa do Brasil, o ex-jogador conquistou cinco títulos do Gauchão e uma Recopa Gaúcha.